quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

- Só para depois ?


Você acredita no depois?
Acredito. Mas e se depois for nunca mais?
Não pense que eu não desejei
você. Desejei até demais. Desejei que estivesse aqui, mas só um quis assim.
É só que eu me apavorei, e notei que mudanças ocorrem da noite pro dia, e não me venha negar, esquece-te que tenho sétimo sentido?
Guardei cada passo teu, na expectativa de não perder você pelo caminho, não adiantou. Havia um atalho menor, e me deixou perdida entre as folhas secas do outono.
A ponto de me fazer ancorar, me perdi naquele mar de dimensões. Eu me perdi por querer viver...
Deixamos pra depois a troca de carinho que fosse para o bem, que fosse uma saída. Foi deixada a cor que trazia ao nosso dia-a-dia.
E a saudade que deixei para depois, e mesmo sabendo da distancia, eu quero acreditar no futuro...

Oh, mestre mostra pra ele:
'Olha, eu sei que o barco tá furado e sei que você também sabe, mas queria te dizer pra não parar de remar, porque te ver remando me dá vontade de não querer parar também.Tá me entendendo? Mas você tem que remar também. Eu desisto fácil, você sabe.Mas a gente tem que afundar junto e descobrir que é possível nadar junto. (...)'
Caio Fernando

2 comentários:

KathyllenS. disse...

Não párem de remar, jamais!
Já diria Caio
“Aquilo que é bom, e de verdade, e forte, e importante - coisa ou pessoa - na sua vida, isso não se perde.”

Não se percam, o sentimento de vocês é verdadeiro. E vai vencer esse obstáculo, e enfim, depois vocês vão rir disso tudo e levar as coisas como aprendizado!
Aponta pra fé e rema, cunhalinda ;*

k. sαmαnthα disse...

É exatamente isso, se for pra afundar, afundem juntos.
Se salvem juntos. Eu sei que conseguem. rs

O blog tá lindo. *-*