domingo, 31 de julho de 2011

- (...)


-Será que ela pode controlar se é "cedo ou tarde" pra falar algo?


Por um segundo ela só conseguiu ouvir o silêncio que fez ao seu redor. Parece que tudo e todos resolveram parar, para que ela concentra-se sua audição naquelas palavras que sairam da boca dele.
O ritmo das pálpebras dela diminuiram, seus olhos ficaram enormes, cara de susto se fez no momento.E congelou!
Nem pra frente, nem para tras, ela não saia de seu ponto. Frio na barriga, punho fechado, respiração forte e sem nada pra se dizer.
Ela não fez nada, não disse nada, não pensou em nada pela primeira vez.
-O que lhe restou foi apenas um olhar perdido, e constrangimento na face.

Como duas palavras puderam intimida-la, deixando-a COMPLETAMENTE indefesa?

A terra se moveu...e o gelo foi quebrado com os passos que ele foi dando para trás, de costas e indo embora...tentando fugir do que fez...
E ela? -Ela, ficou parada o mesmo lugar, vendo ele partir, com uma cara de tonta. (Ãm?, o que fazer?)
Ela só queria associar tudo aquilo, aquela pequena e profunda palavra que a fez ficar assim.

- Um passo de cada vez. ela pensou!
Mas não...foi um I love you (em português é claro) que ele disse, que é tão forte, que fico com medo de dizer.
Impossível controlar minha vontade de você, a minha vontade que era de voltar lá e fazer alguma coisa. Mas não deu, não consegui, congelei.


                                     Pensei que aquele momento não teria mais fim!

                               Eu devo insistir pr'um dia ser feliz ? Ou devo desistir ?
                                                            

Um comentário:

Jerlley disse...

Nunca mais vim aqui pra comentar teus textos.
Pois é baixinha, pra tu ver como as coisas mudam, uns querem me matar e outros gostam de mim. E o que isso tem haver?
Do mesmo jeito, nunca mudou nada entre nós, pelo contrário ficou até mais forte.
É bom saber que eu tenho você, como amiga, como melhor amiga.

Beijo baixinha.